domingo, 15 de junho de 2008

O ACTO SOLITÁRIO E A APOSTA DUAL

SONHOS TERNOS_PAUL GAUGUIN , 1894

É o acto solitário e a aposta dual

onde a vida do conceito e o ser da realidade

se fermentam um ao outro por igual;

***

o ser particular e o conceito universal

que se desafiam um ao outro na ilusão

de ser a sua verdade a verdade na palavra final;

***

a liberdade fechada na reconsolação singular

onde o eu sobe ao castelo de si para a reconfirmar

mas fica refém do real onde não a pode reconciliar;

***

o ser na casa de si e a felicidade no Mundo

onde a liberdade se torna viva e concreta

e aspira a ser mais que uma ilusão valiosa e secreta;

***

o ser particular e o conceito universal

onde a liberdade se torna o plasma do Mundo

e a felicidade pode voar em realizações de fundo;

***

a verdade solitária e a coragem colectiva

que se fundem uma na outra

até arrancar novas formas à vida;

***

o sentido da vida e a liberdade sonhada

que se orgulham de ser nos humanos

a utopia desejada e a ambição realizada;

***

É a verdade solitária e a aposta universal,

liberdade plena de si mas vacilante no Mundo,

onde a união entre ambas se converte

no trágico dilema que é a epopeia de fundo;

Procura solitária e coragem colectiva

ancoradas bem uma na outra

até arrancar novas formas à vida;

O poder trágico do elo cósmico-humano

trazido nobremente à filosofia!...


Luís Lourenço

10 comentários:

mdsol disse...

Ah! o quente e desprendido Gaugin!
e o sonho pois claro..
:))

mariam disse...

Lê-lo também é um grande gosto...
e usa de mestria nos imagens que escolhe...
"a liberdade fechada na reconsolação singular
onde o eu sobe ao castelo de si para a reconfirmar
mas fica refém do real onde não a pode reconciliar"
como isto é verdade!

bom Domingo
uma semana fantástica

um sorriso :)


ah! sou pequenina, acredite!

Duarte disse...

Gauguin soube encontrar o seu reduto de inspiração, para alcançar fama mundial com os seus lenços da Polinesia.
Que diferente aquela vida com a de Paris, aí está o querer dar por outras formas à vida.

Aninha disse...

Boa tarde
Lindo domingo

Suas imagens que levam todas à Liberdade retrata um sonho de todos nós..Parabéns!

Sucesso sempre

JPD disse...

A reformulação de valores para um porvir diferente, mais consolidado.

Não estou seguro se terá sido do rompimento de Arles que Gauguin partiu para a Polinésia.

O que houve, e isso parece indiscutível, foi a busca de um desígnio, apesar do desalento de Gogh.

Um abraço

sinhã, a. disse...

Soberbo - como sempre. :-)

Anja Rakas disse...

"Soyez amoureuse pour être heureuse" não é uma má receita viu Gauguin (principalmente para quem vivia no Taiti), mas eu discordo duplamente de ti. Desculpe, mas felicidade é muito mais que isso!!!!

Fantástico Post.

dona tela disse...

O que é esta história dos irlandeses?

Desculpe incomodar.

Mariz disse...

Salvé!
Vim aqui a este post.porque presumo, não virá mais ninguém.
Comentário 1:
"...é urgente afirmar plenamente cada onstante para prevenir a "decadência" antes do tempo ou nas suas "máscaras" simplesmente espumocêntricas"
In: Luis Lourenço (acerca de mim)
"Diz-me quem comentas...dir-te-ei quem és" - neste caso - autor: Observador!
Minha resposta: os dois comentários anteriores!
E digo mais: "estar vivo é o contrário de estar morto"! - in: famigerada "Lili Caneças"! - conteúdo idêntico... bloguistas:
Aninha(?); Anja Rakas(?); Sinhâ,a(?).

Comentário 2:
- "...mas a vida ser senhora do projecto da verdade"...
- "...onde a vida e a verdade podem chocar"...
- "...a coragem da vida á hora da realidade"...

In: Luis Lourenço

Sem elitismos, sem orgulhos, sem pruridos parvónios, mas o mais ALTO é o valor a que nos atribuímos e não a fome de convrsa ou nos versos por fazer numa sofreguidão de "pensar sentindo" ou "sentir pensando"... (in: Sinhã.a)- também passei por lá...pensei serem equiparados ao da Maria Sentidos...pelo menos! - mas enganei-me!...dei de caras com bloguistas, onde até é necessário perguntar "se queremos continuar", para abrir então o blog - o que eu desconhecia de todo! realmente vivo noutro mundo - mesmo que reconhecido por outros...ele não é SENTIDO!...não por ser mau, desfazado, mas porque é tudo menos aquilo que satisfaz os sentidos - ou outros prazeres deliciosos por volácteis...fugazes...e com muito pouca côr e sentimento! Prefiro, de longe...o meu blog e ser como sou! Ah! Como eu me amo! De verdade!

Mariz

ESPAVO!

Clara disse...

As tuas palavras e a imagem de Eugène-Henri-Paul Gauguin resultaram numa fórmula sem comparação!

Bejinhos