domingo, 17 de dezembro de 2017

BOAS FESTAS E FELIZ NATAL



copyright
*****
É a manhã e a alvorada
Que arrancam o ser à inércia
Até nascer nele uma nova morada;
*
A noite e as portas do labirinto
Que rasgam clareiras ao caos
Até brilhar nele o infinito;
*
O meio-dia e o zénite solar
Que derramam energia sobre as taças
Dos amantes da vida e do criar;
*
A meia-noite e os pressentimentos
Que festejam a vida aos sons da guitarra
Até tudo se afinar em explosão de sentimentos;
*
A chaga infeliz e os desmazelos
Em que a vida a e a cultura se afundam
Até o homem quebrar os medos;
*
A festa e a nascente primordial
Onde tudo se canta na música da vida
Como num barco ondulante em alto mar;
*
O instante e a luz do pensamento
Onde o ser celebra sem arrependimento
O nascer e o morrer do próprio tempo;
*
É expansão e Universo, verso e reverso,
O ser escrito no perfume de um só verso...
O símbolo da vida abundante
Mesmo a perdida e a errante;
*
Os amantes do ser e do pensar
Orgulhosos de ser um para o outro
Toda a alegria da incerteza...
No jogo do seu próprio caminhar!...

Véu de Maya

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Oh, vida peregrina/ Morricone


copyright
  *****

Por que me seduzes, ó vida peregrina,
com véus de feiticeira atrevida,
se quando te quero amar de verdade,
me atiras com volúpias mais de mentira?
*
Mas que retórica tola!, retratas-me tu,
ao desvelar-me com o teu espanto
no sorriso encantador de seduzir,
*
Como poderias, tão depressa assim, possuir-me,
se  sou  orgia pura no azar de quem arrisca?
*
E se, ao embalar-te com ilusões de verdade,
sou a mais bela e arrojada peregrina,
nos lances sedutores da máscara e da mentira?
*
Ah, vida exuberante!-Aí? despertas-me de mim,
ao banhar-me no teu caudal esfuseante
e girar nos teus labirintos de dor e euforia!
*
Até ser em ti, puramente, só laços ardentes do coração,
E tu em mim, ilusões fortes e pomares de flores...
Ó vida pura, ó mais bela impostora, sem pudores,
Como és tão verdadeira, até nas ilusões e nos amores!...

Véu de Maya

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

NOSTALGIA DO OUTONO/CHOPIN

copyright
*****
Este poema, em torno nostalgia do Outono, depois de recitado pelo poeta, está escrito dentro do vídeo numa imagem delicada e sensitiva, alusiva a esta estação do ano. E vai sendo floreado e ilustrado por telas apropriadas da pintura mundial ao som desta música estrelar de Chopin...Desfrute da fusão deliciosa entre poesia, música e pintura, pela vibração do espírito e para felicidade estética dos sentidos. Enjoy the harmony: poetry, music and picture. Amazing relax. Obrigado/ Thanks.

Yet the poem, in portuguese language, for google translator, if you need. Very beautiful, I believe.
*****
Roda, roda, ó folha de Outono,
Que secaste sem saber...
Mas eu que te toco tão leve
Em que chá te poderia beber!
*
Canto ao vento que te leva
E ao toque que já não podes florir
E ao ver-te rodar assim serena
Como poderia não te esculpir!
*
Sigo ao teu lado pertinho
E ao vaguear no teu caminho
Sorrio-me a passear sozinho
E a sentir-te como idílio já esbecido...
*
Mas ao Baco que à vida sorri
E neste louco altar floresce...
Sob os véus do que festejo em ti
Venho dançar, ó folha de Outono,
*
Pois não quero estiolar como tu
Sem me embriagar neste poema
À nostalgia do que sinto por ti...
* E ao vento que até na morte se ri
Que sopre até valer a pena...
Na roda em que tudo na vida flori!...

Véu de Maya

sábado, 29 de julho de 2017

Na harpa da vida/Pausa Balnear.


copyright

******
Ah, poeta! onde achas tu-musa mais pura?
Se até quando erras suspenso pelas estrelas,
Em jogos de inspiração que a brincar te vêm delas
Sou eu a vida-musa, a mais pura ninfa do teu véu.
*
Ah, vida! e porque me seduzes com anéis e feitiços?
Que, noutras ninfas, não são mais do que máscaras e sorrisos...
Mas em ti!-metáforas de fogo-em risos e espelhos
Nas cores dos teus sulcos em violetas e vermelhos.
*
Ah, poeta! e que colhes tu dos meus espelhos?
E desse pomar de cores em roxos e vermelhos
Onde te convido para cumes e fontes virginais,
Quando te olho-como a ninfa mais pura-nos olhos.
*
E dos leques do azar? com riscos sob mantos!
Em que te desafio do alto a rasgos com prantos,
Para lá de todas as ninfas que te enfeitiçam...
Mas tão ingénuas e efémeras nos seus suspiros e encantos.
*
Aí, ó ninfa pura, suspendes-me a respiração!
E entrelaço-me ardente aos anéis do teu coração,
A segredar-te baixinho-neste silêncio estrelar de vozes...
*
Que me jogues outra vez para as estrelas
Com a inspiração de que tu-ó minha ninfa mais pura-
Me tragas outras marés fortes e barcos e vagas!...

Véu de Maya

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Rendas Finas/Moonlight Sonata



copyright

*****

*
Os afectos são incríveis
E as palavras bosques terríveis!
Mas no voo, quero-os livres.
E a elas, pássaros sublimes,
*
Como fontes de águas claras,
No olhar-espelho das águias.
*
Do luar que brilha em teus olhos
Já avisto o teu pomar,
Mas é na embriaguez dos meus sonhos
Que te mimo com espelhos de enfeitiçar.
*
Entre o prazer dos beijos,
Bordados em volúpia de lábios,
E a renda fina dos folhos,
Perdida na ternura dos prados,
`*
Fica a lua-cheia em desejos,
E a felicidade, boémia nos olhos,
Que é como a doçura dos favos.
*
Quando o sonho te cerca
Mas é a saudade que abraza,
Deixo-te o véu que liberta
E tu a mim, volúpia em taça!...


Véu de Maya