quarta-feira, 18 de junho de 2008

CARPE DIEM

HOMEM E MULHER CONTEMPLANDO A LUA_GASPAR DAVID FRIEDRICH, c.1824

Óleo sobre tela, 34 x 44 cm, Berlin, Staatliche Museen zu Berlin-Preussischer Kulturbesitz
***
"Havia um imperador que tinha sempre presente a fragilidade de todas as coisas, para impedir-se de atribuir-lhes excessiva importância e poder manter-se em paz com elas.
Eu acho que pelo contrário tudo tem demasiada importância para que possa ser tão fugidio; por isso procuro atribuir a eternidade à mínima coisa.
Serão acaso de lançar ao mar os bálsamos mais preciosos? A minha maior satisfação é que tudo o que foi é eterno, e que o mar o devolve à praia.
Nietzsche, Vontade de Poder, III

9 comentários:

um Ar de disse...

Adorei o título do "post".
Adorei o excerto de Nietzsche.
Obrigada, mesmo.
A "mensagem" é lindíssima.
Nem sei que dizer.

Carpe Diem?

[Beijo grande...]

Graça Pires disse...

Ter sempre presente a fragilidade de todas as coisas. Achar que tudo tem demasiada importância para que possa ser tão fugidio. Pode parecer contraditório, mas são duas formas de encarar a vida.
O texto de Nietzsche é excelente.
Um beijo.

Anja Rakas disse...

Humm...temos 4 coisas em comum
Eu tbm gosto de beijos com sabor ao tempo...a lua...ao sol...e a chuva. Se for de vento tbm serve...GAYA me comanda...

"Mudei-me da casa dos eruditos e bati a porta ao sair. Por muito tempo, a minha alma assentou-se faminta à sua mesa. Não sou como eles, treinados a buscar o conhecimento como especialistas em rachar fios de cabelo ao meio. Amo a liberdade. Amo o ar sobre a terra fresca. É melhor dormir em meios às vacas, que em meio às suas etiquetas e respeitabilidades."
Nietzsche

Bjs esvoaçantes

Anja Rakas disse...

As vezes temos um demoniozinho dentro de nós que nos impulsiona a retratar o que não é belo, não é estético, não é lírico, e muito menos poético.
Nessas vezes, confesso...sou um demoniozinho.

Uma suave vénia em honra a seu tímido silencio.

daniel disse...

Olá

Nietzsche, sempre achei um pensador confuso, mas a sua filosofia obriga a pensar profundamente, como acontece com este texto.

Daniel

Aninha disse...

Boa noite- 19h 06- RJ
Friozinho Gostoso

Ah,Nietzsche...inquietante como as ondas do mar a nos jogar estes pensares...
Sabe,prefiro como ele,atribuir eternidade à mínima coisa,embora ,às vezes tenha medo que o mar não mas devolva.
obrigada pelos encontros
sucesso

Os_meus_rabiscos disse...

Sábias palavras!

NAELA disse...

Luís, texto excelente!
O Universo conspira a nosso favor dependente dos nossos desejos, tal como o mar que despe o que não deseja, a vida e um boomerang!
Gostei da escolha;)
Um beijinho muito doce

Mariz disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.