terça-feira, 7 de outubro de 2008

VÉNUS E CUPIDOS

VÉNUS E CUPIDOS_SALVADOR DALÍ
É o ser na aspiração de ser outro
onde afirma o horizonte a fronteira
de querer ser tudo sendo pouco;
*
o ser e a pergunta que o transcende
em busca do que é mas não se surpreende
apesar da chama que nele se acende;
*
o ser e angústia que nele se enquista
como o amor da mulher a quem se ama
mas jamais se conquista;
*
o ser e o cerco do não-ser
onde a violência exercida ao pensar
gera o poderoso impulso de se renovar;
*
o Universo e o jogo do devir
que inocentam o destino trágico dos seres
no fado do voltar a chegar e a partir;
*
o ser e a pergunta pelo sentido
que se abismam no trágico herói
na procura mais valiosa mas que mais dói;
*
É inquietação e sentido
pergunta e aspiração
chama que se acende no ser
que se ama mas não se transcende;
ser na fronteira do não-ser,
limite-expansão e horizonte,
cerco-abertura e ponte;
tragédia valiosa de herói
que cura e liberta
mas vai retornando e dói!...

Luís Lourenço

15 comentários:

mdsol disse...

"É inquietação e sentido
pergunta e aspiração
chama que se acende no ser
que se ama mas não se transcende"

Acho que entendo...acho...
:)))

Vivian disse...

...boa noite, ser de luz!!

muahhhhhhh

vida de vidro disse...

Eternas angústias e inquietações que passam pela tua poesia. Para nos fazer ler e pensar. **

sinhã, a. disse...

possante.:-)

EternaApaixonada disse...

Outra página esplendorosa!
O poeta revela e instiga a pensar...
E nos inquieta a refletir...
O desfecho triste, porém de uma realidade forte...
Sempre com o extremo bom gosto em aliar o poema à imagem. Perfeito!

Clara disse...

Luís,
algumas frases que escreves são tão fortes e tão profundas!
Dá vontade de as escrever nas paredes... A sério!

Beijinhos

PS: Adoro este quadro de Dali.

Graça Pires disse...

"ser na fronteira do não-ser"
É isso que nos inquieta...
Um abraço.

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Lindo poema, querido amigo.
Você me tem dado muita força, e estou precisando mesmo.
Obrigada,
Renata

Tentativas Poemáticas disse...

véu de maya
Muito obrigado pela amabilidade que teve ao elogiar os meus poemas publicados no blogue da Renata.
O seu blogue merece uma leitura mais cuidada.
Voltarei.
Um grande abraço.
António

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Carao amigo, acabei de postar. Venha ajudar-me nesse meu recomeço.
Um beijo,
Renata

intimidades disse...

lindissimo com sempre

Jokas

Paula

intimidades disse...

tu poes em palavras o que eu apenas consigo ver em imagens

Jokas

Paula

heretico disse...

"o Universo e o jogo do devir
que inocentam o destino trágico dos seres..."

prazer das palavras tuas. que evocam sons primordiais. e se espraiam no tumulto do(s) sentido(s). multiplo(s).

abraços

Vieira Calado disse...

Dali é o meu preferido.
E den Bosch.
Gostei do enquadramento e texto.
Bjs

Lu disse...

Olá!
Lindo!
Estou a pensar...
As suas palavras atravessaram o mar, tocou pessoas, fez pensar...
Escreves profundamente e só me resta dizer, como todos, que seus poemas são maravilhosos.

Beijo!