quarta-feira, 22 de outubro de 2008

RIOS DA ILUSÂO

PRAZER_RENÉ MAGRITTE
[a uma amiga que está muito triste]
*
No teu corpo que não toquei
distante por não poder tocar
correm os rios de espuma
que ainda não se desfizeram no mar;

*
E na tua alma onde não entrei
pela beleza de não querer entrar
bailam jactos de prazeres e risos
que só o tempo vai libertar;

*
Mas na névoa em que os encobres
deixas os nós das estrelas
e os elos enigmáticos de desejos
sob o véu de delícias em noites insones

*

E no rio da ilusão que te devora
como sublime ardente e trágico,
em noite de abruptas desmedidas,
caiem as folhas amarelecidas
e a nostalgia, véu do frenesim solitário,
nas brumas da uma ninfa de Outono,
errante mas sonata na Primavera!...


luís lourenço





22 comentários:

Vivian disse...

...No teu corpo que não toquei distante por não poder tocar correm os rios de espuma
que ainda não se desfizeram
no mar;

...o corpo, esta matéria efêmera,
não...
mas com toda certeza, a alma sim,
esta foi tocada, invadida pelos
mais puros sentimentos,
feito que só um grande poeta
consegue.

ssssmacksssssssss

Anja Rakas disse...

A vantagem de ter péssima memória é divertir-se muitas vezes com as mesmas coisas boas como se fosse a primeira vez.
Friedrich Nietzsche

Beijão

Cidinha disse...

Bom depois desse poema...sua amiga só pode ter ficado muito feliz!

Até

~pi disse...

amo devagar os amigos tristes com cinco dedos de cada lado,

acho que é do lobo antunes este poema, e cantado pelo vitorino, é

magnífico.



belo, querido luís, um beijo a ti

outro à amiga

rosasiventos disse...

chove chove em mim secamente

raspanete de deus ladainha tridente

[ messa di voce raining balls


aqui mais a propósito - ou a depósito?

da ilusão...

intimidades disse...

quando estamos tristes um ola amigo e magico

Jokas

Paula

FLOR disse...

Olá boa noite, vim te dizer que tenho um selinho para vc lá,vá buscar....
Beijos

EternaApaixonada disse...

Querido poeta,

Rios de Ilusão é mais uma página de muita sensibilidade lírica, ponto forte do amigo.
Que a alegria seja constante companhia em seus dias!
Beijos

Graça Pires disse...

Bonita homenagem a uma amiga triste. Tenho a certeza que o poema lhe fez bem...
Um abraço.

Maria Anjos Varanda disse...

A tua amiga depois de ver o poema que lhe dedicaste de certeza que pelos menos ficou menos triste....
é bom termos amigos que se preocupam connosco.

Beijos

Lili disse...

que lindo... adorei...
beijos
boa quinta

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

O rio da ilusão percorre minhas veias!
"Mas na névoa em que os encobres
deixas os nós das estrelas
e os elos enigmáticos de desejos
sob o véu de delícias em noites insones"
Nos nós das estrelas, sento-me e deixo ficar, ainda que tanta luz me segue. Mas o véu da noite me guia pelo frescor e encobre dos perigos e até de mim mesma!
Beijos e borboleteios!

mdsol disse...

:)))

JPD disse...

(Desejando não correr o risco de uma má interpretação)

A cumplicidade tem uma componente física.
É natural.
Faz parte da instrução e iniciação dos amantes.

Um abraço

mariam disse...

Luis,
"fortíssima" esta imagem...

sublime e belo este "recado" à sua amiga..."brumas da uma ninfa de Outono,errante mas sonata na Primavera!..."

mas, Luis,
por estes versos por si tão bem "pintados", não me parece que Ela esteja assim tão triste!

bom resto de semana
um grande sorriso :)

mariam

P'las palavras "faladas" deixadas, muito OBRIGADA!

vida de vidro disse...

E que melhor lenitivo para a tristeza que essas belas palavras? Lindo, como sempre. **

Lu disse...

Viva!!! rss
Consegui!

Bela homenagem para sua amiga!
Ela deve ter adorado, tão gentil gesto.
Beijo!

Clara disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Clara disse...

Luís,

gostei imenso do poema, mas este quadro de Magrite provoca-me arrepios. É um prazer animalesco, um prazer de provar o sangue ainda quente... Talvez representa a necessidade do Homem desejar de sentir / sugar a vida em todos os sentidos.

Beijinhos

Bárbara disse...

este quadro de Magrite é lindo no desenrolar destes rios da ilusao..

Papoila Sonhadora disse...

Olá Luís,
a vontade de escrever nem sempre é compatível com o tempo. Ah o tirano e vil tempo! Não gosto desta medida, aliás sempre vivi para lá das medidas, fora do tempo dos outros... Talvez, na esteira da "ilusão". Quero que saibas que aqui passei no próprio dia em que escreveste "Rios da Ilusão" mas essa medida nem sempre presente, não me permitiu escrever-te umas palavrinhas, com a devida atenção. No entanto, foi muito apreciado o comment deixado no meu espaço, indica as marcas que gravamos nos outros, é sempre bom!

Ora, "Rios da Ilusao": a Ilusão é um erro, engano dos sentidos e do juízo. Será assim?
Nem Sempre. A Ilusão permite ter o que não se alcança de outro modo e só quem vive nos meandros da ilusão sabe o significado desta palavra e nela se permite mergulhar. Muito bem escolhido o título, a Ilusão é um rio, sendo o próprio rio uma Ilusão. Só os mais fortes saberão mergulhar nos "Rios da Ilusão"...

Espero escrever ainda hoje,
Doce bj de encanto
SANDRA FERREIRA,

WOLKENGEDANKEN disse...

Nao sempre conseguimos sentir e seguir as metaforas dos outros. Deste poema gostei muito, sao metaforas que me chegaram directamente ao corazao.