sábado, 4 de outubro de 2008

O REGRESSO DA CHAMA

O REGRESSO DA CHAMA_RENÉ MAGRITTE

É o sopro e a distância

que estão para a chama do ser

como o acto está para a transbordância;

*

a força do ser e a amizade

que na textura do mundo são tão antigas

como a própria eternidade;

*

o cárcer da dor e da tristeza

que se espalham pelo mundo

quando nos seres vagueia a fraqueza;

*

o poder da alegria e da felicidade

cujos eflúvios no mundo jamais se esgotam

mesmo quando deles só resta a saudade;

*

o desejo do mais e a bela espontaneidade

que aspiram em pleno ao triunfo no ser

como as fontes da própria liberdade;

*

o medo e as pressões glaciares

que fecham de súbito a existência

no escuro dos pesadelos polares;

*

o movimento e a expansão

que erram caóticos na cósmica energia

e em cuja órbita vagueia a dor e a alegria;

*

É sopro e distância, ser e transbordância

desejo de querer mais até à última distância;

energia e expansão,

vontade e libertação

saudade, nostalgia e realização;

Movimento e espontaneidade

ponte para a eternidade

e no caminho que é a aventura

a poesia como canto à imortalidade!...


Luís Lourenço

22 comentários:

Vivian disse...

...e estas mulheres maravilhosas, cada qual com sei jeitinho, vão tomando sorrateiras a alma do poeta luzitano...

lindo, lindo!

bjsss

mdsol disse...

:))

paula barros disse...

Ficou uma homenagem bonita.
abraços

intimidades disse...

nao ha como comenta-lo

apenas senti-lo

Jokas

Paula

vida de vidro disse...

Todas os sentimentos que geram força positiva não são demais para erradicarem "o medo e as pressões glaciares". Belo. **

Deusa Odoyá disse...

Olá meu amigo.
Passei para agradecer sua visita ao meu cantinho.
Um texto muito lindo.
Parabéns poeta.
Desejo uma semana com muita paz e luz.
Sua amiga.
Regina Coeli.

a louca disse...

Vim agradecer a visita e o comentário, e nossa!... Muito bom esse espaço... Os poemas são incríveis!

Cumprimentos a você também.

•.¸¸.ஐBruneLLa Wyvern disse...

Que linda homenagem fizeste à tua amiga!
Encantou-me a alma!
beijos e borboleteios!

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Obrigada pelo poema que me dedicou, Luís. Vou pô-lo no meu post de despedida.
Beijo terno, Renata

EternaApaixonada disse...

Como sempre a sensibilidade está presente em cada cantinho deste blog!
Lindo poema, Luís.
Beijos

Carla disse...

uma bela homenagem...cujas palavras dizem tudo o que há para dizer e nos deixam uma vontade imensa de recuar e voltar a lê-las...ou melhor a senti-las
beijos e boa semana

Graça Pires disse...

A força da amizade. O poder da alegria. Gostei.
Um abraço.

FLOR disse...

Bom dia, tem selinho pra vc lá no meu blog, passe lá para pegar tá bom?


Beijos

Xinha disse...

Belissima homenagem...
:)
A Renata deve ficar orgulhosa!

Xi-coração

Dois Rios disse...

O afeto derramado em versos de muito sentir.

sopro,
força,
poder,
desejo,
medo,
alegria,
dor

tudo numa poesia de um nome só.

delicadeza de presente!

beijos e mais beijos,
inês

~pi disse...

canto que acende palavras

ternas quando as lemos

eternas quando as

prendemos




beijo, luís :)




~

JPD disse...

Olá Véu

Uma extraordinária exaltação da amizade.

Gostei de ler.

GUILHERME PIÃO disse...

Simples e bonito.
Abraços

mariam disse...

Luis,
ser amigo... também é... assim. Muito bonito.

belo.
o poema
e a intenção

boa semana

um sorriso :)

mariam

heretico disse...

entre dois polos (sopro e distância; força e amizade; desejo e expontaneidade; movimento e expansão) se define a tensão da vida.

... e se constrói um belíssimo poema.

abraços

Lu disse...

Olá!
Bela homenagem!
Poema belíssimo...
Beijo!

Rosa Carvalho disse...

Adorei !!! É de uma delicadeza profunda, de uma sensibilidade tocante. Parabéns!!!!