sexta-feira, 26 de setembro de 2008

PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA

PERSISTÊNCIA DA MEMÓRIA_SALVADOR DALÍ

É a reflexão e o preço do conhecimento

que quebram na estupidez a ignorância

e a ausência do pensamento;

*

a acção e a luta contra a doença

que as luzes da razão proporcionam à ciência

para elevar a saúde à sua plena existência;

*

o desejo sem fim e o sonho da perfeição

que irradiam do núcleo do mito para o fazer

florescer e brilhar até à grande ilusão;

*

a visão sensível e o cósmico radar

que se libertam entre o pensamento e a realidade

até chegar ao cume de uma incontornável verdade;

*

o olhar inquieto e o impulso da criação

que imperam como pássaros longínquos

no cume do ser e da veneração;

*

a nobre causa e a terrível missão

que quebram na vontade as máscaras da ilusão

até bater nela ardente e feliz o coração;

*

a chama do fogo e a roda da invenção

que gravam na cultura da memória

os tesouros e os desvarios da civilização;

*

É vida e instinto, celebração e vontade,

poderes telúricos nos cumes da verdade,

e só fantasias dos caprichos da liberdade

às voltas no carrocel da vaidade

e para o Mundo mais dor do que felicidade;

É a pergunta subtil e certeira: ser ou não ser,

a vertigem do homem face à realidade

que o engloba e interpela

sem jamais poder sair dela!...

Luís Lourenço



16 comentários:

Maria Laura disse...

Dita com a qualidade que te caracteriza, essa "vertigem do homem face à realidade". Excelente

instantes e momentos disse...

muito bom voltar sempre ao teu blog. Me inspira.
Tenha um belo final de semana.
maurizio

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

Gostei muito do seu poema, amigo. Tive que ler duas vezes, dado o seu tamanho. Mas quem sou eu para falar de tamanho, não é? Eu que faço posts imenso. Aliás, acabei de fazer um agora. Apareça.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
PS: Hj, meu irmão foi transferido para o Hospital do Coração, onde, daqui a 15 dias, porá 4 "pontes" (safenas, mamárias), mas estão todos animados.

Deusa Odoyá disse...

Olá meu estimado amigo.
um lindo poema, parabéns.
Predominando sempre a realidade por nós vivida.
To passando para te dar um oi, repleto de carinho e muita luz.
beijos amigo.

Te aguardo em meu cantinho.
Regina Coeli.

João da Silva disse...

Luís, belos e profundos versos, que merecem leitura. Você filosofa poeticamente, e isto é virtude de poucos.
Abraços do João

intimidades disse...

sempre achei bonito dali, mas sem nunca perceber porque

Jokas

Paula

Lu disse...

Confesso, que raramente gosto de poemas.
Concordo com o comentário do João.
Soa-me bem ler e vejo a profundidade de teus escritos.Acredito que por essa razão, esse sentido,me faça apreciar e dizer, maravilhoso!

Um ótimo final de semana!
Beijo!

Vivian disse...

...toda vez que me questiono,
menor me vejo.

...você me faz pensar.

bjsss

Pelos caminhos da vida. disse...

Olá meu amigo!

Lindo poema.
Espero um dia postar assim como vc.
Seu cantinho é aconchegante.
Bom fim de semana pra vc.
Obrigado pela visita.
Serás sempre bem vindo.

beijooo.

mundo azul disse...

Assim é o homem no seu eterno questionamento e oscilação...


Um poema bem reflexivo!


Beijos de luz e um final de semana feliz!!!

Sonhadora... disse...

A vida filosóficamente contada através de palavras q mostram um lado de sua sensibilidade.

bjos!

mariam disse...

Oh!Véu, um dos meus quadros favoritos! que bom...aqui
a ilustrar as suas sempre emocionantes palavras e pensamentos.

Obrigada

um sorriso e um mimo :)

mariam

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá Luís, belíssimo poema, escrito com uma enorme qualidade... Como não conhecia o blogue, andei a ler, os poemas anteriores e posso dizer sem sombra de dúvida, que o fascínio é apanágio deste cantinho
maravilhoso... Luís um abraço e bom Domingo!
Fernandinha

mdsol disse...

Meu caro: a persistência da memória... o menino adivinhou o que eu gostaria de encontrar hoje!

:)))

Olhos de mel disse...

Belissima poesia! O ser, ou não ser é a grande questão. A fronteira entre razão e emoção. Delimites e dualidades de sentimentos. Esquecer um lado e viver o outro, no final traz melancolia, mas se o amor sempre sobressai? Que se danem as razões, as certeas, as sanidades...
Bom fim de semana! Beijos

heretico disse...

"luminosa obscuridade das (tuas) palavras".

que desvendam. e encobrem. em espiral de deslumbramento...

excelente, claro!

abraços