terça-feira, 16 de setembro de 2008

O AMOR

RETRATO DA SENHORA M_TAMARA DE LEMPICKA
A sensualidade feminina ornamenta-se com vários disfarces: o idealismo platónico, tão caro à juventude, que gera a miragem da bem-amada como sendo um caso à parte; uma incrustação, uma elevação, uma transfiguração aureolada de infinito; a religião do amor em que participam "um belo moço e uma bela rapariga"-é, de certo modo, divinizada num noivado da alma; a arte--com todo o prazer ornamental com que presenteia a mulher; o que leva o homem a ver nela todas as perfeições, e a sensibilidade do artista concentra no objecto amado tudo quanto idealiza.
Consciente desses sentimentos do homem, a mulher esforça-se por ir ao encontro da idealização que a cerca; enfeita-se, cuida da aparência, do modo como dança, do modo como há-de exprimir o que pensa em termos delicados; é ainda em função disso que mantém o pudor, o recato, a distância, porquanto sabe, instintivamente, que assim estimula a faculdade de idealização do homem.
A causa da extraordinária acuidade dos instintos femininos, como o pudor, não provém, de modo algum, de uma hipocrisia consciente: a mulher adivinha que é precisamente o pudor real e ingénuo aquilo que mais seduz o homem e o leva a sobrestimá-la. Por isso, é ingénua: por astúcia instintiva, a qual lhe sugere a utilidade da inocência. Ela fecha voluntariamente os olhos, de tal modo que, nos casos em que a dissimulação aumenta inconscientemente, esta acaba por tornar-se mesmo inconsciente

"Nietzsche, Vontade de Poder II

18 comentários:

Maria Anjos Varanda disse...

Adorei este post.....muito bonito.

Parabens

Beijos

Safira disse...

Olá!

Retrata na perfeição a sensualidade feminina, neste belo texto..

Parabéns! Cotinue a escrever belos textos, como este...

Beijinhos

Safira

Renata Maria Parreira Cordeiro disse...

São 3 horas da manhã. Mas como as coisas se acalmaram, fiz um post sobre um filme que todo mundo no mundo já viu e sempre vê de novo. Tirei aquele monte de flores e só deixei as do João. Esta postagem dá para ser bem apreciada.
Um abraço,
Renata
wwwrenatacordeiro.blogspot.com
Dado o adiantado da hora, não consigo lê-lo, mas voltarei, promessa.

mdsol disse...

Gostei. Muito feliz a junção ds palavra sdo "nosso amigo" e do quadro da "nossa amiga" rsrsrsr Ah e o tema, pois, o tema...sempre actual e assim, abordado sem ser pelo lado pequeno, claro que fica bem...
:)))))))

Quase Trinta disse...

Mulheres sempre belas, desejadas e este post retrata bem isso

Lu disse...

Olá!
Parabéns pelo espaço. Muito bem cuidado.
Obrigada pela visita em meu blog, bem como suas palavras gentis.

Mulher...Já aprende desde cedo, que chorando lhe dão atenção, lhe embalam e mimam. rss
Brincadeira, a mulher é o perfume na vida de um homem!!!
Beijo e um ótimo dia!

~pi disse...

a construção de si


[ poder ou não,

desejo de poder ou não




beijos



~

Anja Rakas disse...

"É chamado de espírito livre aquele que pensa de modo diverso do que se esperaria com base em sua procedência, seu meio, sua posição e função, ou com base nas opiniões que predominam em seu tempo. Ele é excepção, os espíritos cativos, a regra; [...] De resto, não é próprio da essência do espírito livre ter opiniões mais corretas, mas sim ter se libertado da tradição, com felicidade ou com um fracasso. Normalmente, porém, ele terá ao seu lado a verdade, ou pelo menos o espírito da busca da verdade: ele exige razões; os outros, fé."
(F. Nietzsche - Humano Demasiado Humano)

Clara disse...

"Consciente desses sentimentos do homem, a mulher esforça-se por ir ao encontro da idealização que a cerca".

Será que na sociedade hodierna, a mulher esforça-se por ir ao encontro dos canones estéticos estipulados pelo homem?
Tenho uma grande amiga que diz que a mulher não se veste para o homem, mas para as outras mulheres. Já não queremos ser bonitas para eles, mas mostrar às outras mulheres que somos tão bonitas, interessantes e inteligentes como elas. O homem já não faz parte do universo da mulher emancipada. É uma opinião bastante crua, mas não será uma realidade?



Beijos

Véu de Maya disse...

Clara!
Agradeço a tua interpelação baseada em vivências muito actuais...as tuas questões fazem todo o sentido...Mas quando a mulher quer ser tanto ou mais bonita do que as amigas não estará na disputa do sexo oposto? Embora haja muito a aprender com tantas deferenciações ndividuais.

Beijinhos

Véu de Maya disse...

errata;

diferenciações...

Maria Laura disse...

Uma excelente análise da sensualidade feminina, ou não fosse de quem é. Claro que, hoje em dia, outras questões se colocam. Ainda assim, o fundamental aí está.

Bill Stein Husenbar disse...

O homem que disse que a felicidade provém do poder, acabou os seus dias louco por uma mulher.

Excelente post.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

JPD disse...

Olá Véu

Este texto é excelente.
Racionalismo puro e de uma lucidez incontornável.

Porém, só um homem como o nosso estimado N poderia escrevê-lo. sobretudo, depois de ter resolvido a sua paixão.

Excelente edição.
Um abraço

Eduardo Jai disse...

Gostei sobretudo dos quadros reproduzidos - bons véus de ilusão. :)

Há muito tempo que não via tantos pedacinhos de Nietzsche juntos. Pelo menos, assim falou... a minha memória.

Uma noite boa.

Vieira Calado disse...

O amigo Nietzsche sabia muito bem do que falava.
Cumprimentos

WOLKENGEDANKEN disse...

Pois eu nao posso descobrir nem uma palavra sobre sensualidade feminina neste texto. Trata-se da imagem da mulher de Nietzsche.

"a mulher sabe instintivamente" ou "adivinha" porque o intelecto fica reservado para o homen. O pudor é um "instinto feminino", a mulher age por "astúcia instintiva" .........

Francamente o que este texto me da é raiva !!!

Anónimo disse...

[url=http://commentjob.ru/#fhicq]this site[/url] - link here , http://commentjob.ru/#xzbrp nice site