domingo, 12 de maio de 2013

NA MADRUGADA SILENCIOSA




*****
Vida claras, quentes e sagradas
Das paixões ardentes na nascente
Como o Sol das praias vadias no poente
E a embriaguez louca das madrugadas;
*
Desfolho uma orquídea envergonhada
Atiro-a pró céu, qual ardente estrelinha!
Partilho com ela à sedução dançarina
E aos risos do prazer, brisa na madrugada...
*
Os jactos do prazer escorrem à flor da pele
 Nossos beijos são doces como o mel
Enfeitiçou-nos o doce sabor às amoras;
Somos a vida e o navio e a ilha voluptuosa
E-ingenuamente-na madrugada silenciosa
Qual paixão! o encanto das nossas horas...

Véu de Maya




3 comentários:

Mar Arável disse...

Há madrugadas assim

com pássaros distraídos

no seu canto

Anónimo disse...

É isto o amor?

Luis lourenço disse...

Mar Arável!

Há voos que parecem distraídos...mas são presenças de fundo.

Caro{a] anónimo.Amor sem paixão e sensualidade-isso existe? Não sou moralista e gosto muito deste soneto.
Obrigado pela visita.