terça-feira, 5 de junho de 2012

INSTANTE DOIRADO



*****
É a manhã e a alvorada
Que arrancam o ser à inércia
Até nascer nele uma nova morada;
*
A noite e as portas do labirinto
Que rasgam clareiras ao caos
Até brilhar nele o infinito;
*
O meio-dia e o zénite solar
Que derramam energia sobre as taças
Dos amantes da vida e do criar;
*
A meia-noite e os pressentimentos
Que festejam a vida aos sons da guitarra
Até tudo se afinar em explosão de sentimentos;
*
A chaga infeliz e os desmazelos
Em que a vida a e a cultura se afundam
Até o homem quebrar os medos;
*
A festa e a nascente primordial
Onde tudo se canta na música da vida
Como num barco ondulante em alto mar;
*
O instante e a luz do pensamento
Onde o ser celebra sem arrependimento
O nascer e o morrer do próprio tempo;
*
É expansão e Universo, verso e reverso
O ser escrito no perfume de um só verso
O símbolo da vida abundante
Mesmo a perdida e a errante;
Os amantes do ser e do pensar
Orgulhosos de ser um para o outro
Toda a alegria da incerteza
No jogo do seu próprio caminhar!...

Véu de Maya

2 comentários:

Mar Arável disse...

Um belo desafio é caminhar

em vagarosos instantes

Abraço

Sonhadora disse...

Poeta querido

O tempo é como o vento...leva as nuvens e deixa os sonhos que perduram para além do tempo...em imagens que acendem todas as lembranças...que guardam todos os silêncios onde gravámos todos os passos...Lindo como sempre ler-te.

Beijinho com carinho
Sonhadora