segunda-feira, 11 de março de 2013

DÓI_ME A LUCIDEZ




*****
Dói-me a lucidez que em vez de ser acção oportuna
Se perde no silêncio da reflexão e aí perdura;
*
Doí-me a coragem que em vez de enfrentar a luta
Sonha primeiro em dar lustro à espada;
*
Dói-me o amor que em vez irradiar em elos e abraços
Quer primeiro afagos para os seus cansaços;
`*
Dói-me a paixão que em vez de gerar laços e causas
Se fecha no gozo de ser desleixada;
*
E dói-me ainda mais a estupidez crassa que em vez
 De cultivar o amor e a lucidez e a coragem
Se entrega à cegueira desta horrível embriaguês;
*
Mas bendigo aos faróis que iluminam os barcos no mar
E lhes permitem até para as estrelas olhar...
*
E aos amantes que superam os seus cansaços
para a outros com e a tempo levarem os seus abraços..
`*
E aos que se apaixonam por laços e causas
E a outros nelas conseguem entrelaçar...
*
E aos nobres guerreiros que se entregam à luta 
Para com lucidez e paixão à estupidez enfrentar..
*
Até que no Mundo triunfe a paz...
E o amor e o futuro...
E a vida não chegue a ser uma ostra fechada
 Na liberdade do nada!...


Véu de Maya





3 comentários:

Mar Arável disse...


Doi-me tudo

mas não me rendo

Luis lourenço disse...

Ah, Mar Arável!

Um guerreiro...nunca se rende.

abraço

Luis lourenço disse...
Este comentário foi removido pelo autor.