quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

poesia de véu de maya_cristal puro/Mozart


copyriiframe width="560" height="315" src="https://www.youtube.com/embed/gUPt4j6MtZw" frameborder="0" allorypted-media" allowfullscreen>
copyright
 ***** 

Trago-te em mim, ó espelho do efémero,
Sinto que és na vida o meu fogo eterno
E por isso danço contigo nos fios do instante
Como pássaro oblíquo em voo rasante!
*
Quando te desafio, abres-me a oferta
Que é cristal de lucidez que à vida encanta
Como a claridade que à floresta desperta.
*
Mas se te toco, profundo, em silêncio,
No olhar trágico do clarão da tua origem,
Levas-me a vaguear pelo teu labirinto imenso...
*
E é aí, ao desvelar-te, que sou riso e vertigem
E tu, no ápice, o voo leve que me levanta!...


Véu de Maya  

2 comentários:

Rembrandt disse...

Que lindo!!!!
Tan delicada tu poesía y tanto vuelo que nos das a tus lectores, que nos envuelves en la magia de tus palabras. Bello, simplemente.

Muitos beijinhos amigo mío y un placer visitarte, siempre.

REM

Vivian Fernandes disse...

Olá, amigo poeta!

Quanta beleza e profundidade nestes versos.
Tua poesia encanta e faz sonhar!
Bom "rever-te" amigo!
Fiquei um tempo afastada do blog, mas agora estou voltando.
Beijos e meu carinho!