sexta-feira, 19 de julho de 2013

SOLITUDE


*****
É o silêncio e a força do pensamento
Onde o eterno se reconcilia com o efémero
E o volatiliza no que nele é simplesmente etéreo;
*
A encruzilhada e os oraculares destinos
Onde o gesto criador se grava no eterno
Como os peregrinos se aprofundam nos seus caminhos;
*
A liberdade do ser e as correntes do não-ser
Onde a criação pura é flecha e pluma
Sobre o caos incerto e a sua bruma;
A fonte apetecível e a sua irradiação
Onde seja quem for que aí habite
Não pode deixar de pressentir o convite;
*
A querida entrada e a confortável estadia
Onde o cume da verdade, do sonho, e do mistério...
É amor donde nunca advém adultério;
*
A paragem e o sopro libertador
Onde ao instante vem a eternidade
E ao criador as metáforas da verdade;
*
O laço profundo e a sagrada comunhão
Onde o tempo que é usura e a eternidade que é sonho
Se fundem numa festiva e solene união;
*
É o silêncio e a força do pensamento
Onde o eterno e o efémero se entrelaçam a cada momento;
A criação pura flecha e pluma 
Sobre o caos incerto e a sua bruma...
*
Fonte, irradiação e convite
Paragem e sopro libertador...
Onde o tempo é instante e eternidade? 
E a passagem aspira a ser: Colina e Liberdade!...

Véu de Maya


4 comentários:

heretico disse...

o Ser e o Não Ser - implicados no Sopro da vida.

belo e profundo. teu poema

abraço

Mar Arável disse...


Que deixem os pássaros voar infinitos

Abraço

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido Poeta

Um poema profundo como o que separa o tempo do infinito.


Um beijinho com carinho
Sonhadora

Rembrandt disse...

Mi querido Poeta, ud. nos regala siempre parte de su alma y corazón con cada verso.
El tiempo, lo infinito, la vida en suma.

".... E a passagem aspira a ser: Colina e Liberdade!... "

Muy bello!

Muitos beijinhos prá vocé y bom fim de semana.

REM