sábado, 8 de dezembro de 2012

NOS ANÉIS DO MUNDO


*****
Sou espelhos e distância
Que estão para a chama do ser
como o acto está para a transbordância;
*
Sopros de ser e amizade
Que nos laços do Mundo
São tão antigos como a própria eternidade;
*
O peso da dor e a tristeza
Que se espalham pelo Mundo 
Quando nos seres vagueia a fraqueza;
*
A leveza da alegria e a felicidade
Cujos laços no Mundo jamais se esgotam
Mesmo quando deles só fica a saudade;
*
Os desejos do mais e a bela espontaneidade
Que aspiram em pleno ao triunfo no ser
Como as fontes da própria liberdade;
*
A angústia e as pressões glaciares
Que fecham de súbito a existência
na escuridão dos pesadelos polares;
*
Os véus e a vertigem 
Que erram caóticos na cósmica energia
E em cuja órbita vagueiam a dor e a alegria;
*
Sou espelhos e distância,
Sopros de ser e transbordância...
Desejos de querer mais até à última instância;
Energia, expansão, vontade e superação...
Saudade, nostalgia e realização
Movimento e espontaneidade
Ponte para a eternidade...
*
E no caminho que é a aventura
A libertação?...como anel da felicidade!...

Véu de Maya

4 comentários:

isis de la noche disse...


A libertação...

O fim último..

beijos querido amigo*

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Meu querido Poeta

Entre a chegada e a partida ficam os anseios...os sonhos e pequenos momentos que são de felicidade, o resto é apenas tempo.
Como sempre as palavras são pequenas para a imensidão do que escreves.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Mar Arável disse...


Palavras vivas

Abraço

Rembrandt disse...

Querido Luis ,
me detuve un rato en tu blog escuchando tu música(sublime)y leyendo tus versos.
Los deseos de libertad son eternos, inherentes al ser humano, todas las emociones y sentimientos llevan hacia allí. Quien no desea obtener el anillo de la felicidad?
Hermosas tus palabras amigo mío, un placer leerte.

Muitos beijinhos prá vocé
REM