quarta-feira, 13 de abril de 2011

O BOSQUE DA PALAVRA

PERSPICÁCIA_RENÉ MAGRITTE

*
É a vida do Mundo no sopro da linguagem
onde o pensamento é como um pássaro longínquo
que mal entardece numa voa logo para outra paragem;
*
A variedade do ser no voo do pensamento
onde a palavra não é só o bosque da realidade
mas o perfume da paixão pela liberdade;
*
a brisa da linguagem nas brechas da realidade
onde o véu enganador do fragmento e da separação
volta a deixar ver inteira e clara a sua primordial união;
*
o espelho do ser e do horizonte
no amor da linguagem e do pensamento
onde ambos se banham na mesma fonte;
*
um raio de luz na névoa do ser
onde a palavra acaricia a frescura dos sentidos
e ao silêncio do pensar os volta a trazer depois de adormecidos;
*
o voo da inspiração e do inefável
onde se aquecem a núvem e o Sol e a promessa
do que no mundo só é real se não se construir à pressa;
*
o amor do pensar na estética da palavra
onde o devir se aquece na lareira do ser
como os foguetes bailam nas horas de festa brava;
*
É a vida do Mundo no sopro da linguagem
e a brisa da linguagem nas brechas da realidade,
onde o véu da aparência mostra agora a claridade;
O espelho do ser e do horizonte
a despertar da soberana fonte
onde todo o sentido é uma ponte;
O voo da inspiração e da aventura
onde todo o sentido já adormecido
volta a voar em filosofia enriquecido!...

Véu de Maya

2 comentários:

Sinhã (açorda não) disse...

não fossem os foguetes, em hora de festa brava, alegria.:-)

Van disse...

Lindo poema!

A inspiração é mesmo um pássaro em vôo, há que captura-lo vez por outra

Beijos!