terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

ESPANTO VIRGINAL

ARCO_ÍRIS EM AGUAÇÚ[Maria João Pires-nocturne nº1 de Chopin-Barra de vídeo]
*
É o assombro virginal e a imaginação
onde cada espanto irradia uma nova questão
e o desconhecido abre as colinas à razão;
*
o sentido da fronteira e o sobre-humano
onde o gesto divino e o culto humano se reconciliam
para libertar o ser do que nele é abstracção e engano;
*
o voo da pergunta e o que a ultrapassa
no ser inocente onde a curiosodade brilha
e no Universo onde o Caos se oculta e desfila;
*
a pesquisa múltipla e a senda do infinito
onde a mente se torna livre e senhora
de errar e explorar num obscuro labirinto;
*
o mistério da existência e a vertigem do limite
que ocultam num véu a vida e a morte
como num jogo entre a expectativa e a sorte
*
a arte de imaginar e os recantos do pensar
que logo que aprumados no homem
o ensinam a abrir pontes para se libertar;
*
É o espanto virginal e os voos da imaginação,
procura eterna no mar da insatisfação,
pesquisa ousada e intensa exploração,
mistério da existência e vertigem do limite;
Relógio sensível da inquietação no Mundo,
iniciativa, esperança, e sorte,
intervalo entre a vida e a morte;
Caos onde a poesia é uma alvorada
e à volta dela faz germinar um norte!...



Véu de Maya

14 comentários:

Serena Flor disse...

Uau...que texto lindo o teu e ainda com esta belíssima imagem, ficou maravilhoso! Parabéns e espero poder voltar aqui outras vezes mais!
Um grande beijo.

Vivian disse...

...uma vez me disseram
que ao nascermos trazemos
todas as informações adormecidas,
e que em cada acordar vamos
trazendo à tona múltiplas
sensações como se novas fossem.

gosto disso..

bjus, lindo!

heretico disse...

assombrosa a tua capacidade de "pensar" a poesia. emoção e "racionalidade" em fusão poética.

abraços

Assim que sou disse...

Estava comentando agora mesmo em outro blog e falando o quanto me identifico e tenho prazer com a leitura em poesia. Gosto da alegoria e da metáfora. Das curvas das letras e da sinuosidade dos pontos e vírgulas. Gosto do seu texto. bjs. Veronica

PS: E se puder, visite meu novo espaço. Agora de realização profissional também. Mas sempre com prazer. É o www.criativesse.blogspot.com

Ana Martins disse...

Maravilhoso este "Arco-Íris!
Uma foto lindíssima e um perfeito poema a descrevê-la!
Parabéns!!!

Beijinhos,
Ana Martins

mariab disse...

não é a visa isso mesmo:a "procura eterna no mar de insatisfação"? belo poema.
beijos

mdsol disse...

:)))

Clara disse...

"Caos onde a poesia é uma alvorada
e à volta dela faz germinar um norte!..."

... um sul, um este e um oeste... porque com este poema (ou prosa?), voamos para qualquer lado. Simplesmente Magnifico!

Carla disse...

a poesia pode ser em si mesma ou caos, ou a libertação desse mesmo caos
beijos

Olhos de mel disse...

Oie lindinho, uma imagem perfeita casando-se bem com os versos... lindos e iluminados!
Bom fim de semana!
Beijos

Graça Pires disse...

O assombro virgina. A imaginação. A vertigem do limite. O Caos onde a poesia é uma alvorada. Muito belo.
Um abraço.

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO LUÍS, SUBLIME POEMA... SEMPRE COM O TEU ESTILO INCONFUNDIVÉL... ENCANTAS-ME AMIGO... PERFEITO!!!
UM BOM FIM DE SEMANA E MUITOS BEIJINHPOS DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Rosa Carvalho disse...

Véu de Maya
Estou parada com tanta beleza...
amo o seu jeito de escrever...
Me faz sonhar... pensar... refletir...
bjs carinhosos Rosa carvalho

mariam disse...

Luis, Poeta

trilogia perfeita!
chopin/arco-íris/palavras.suas

adorei!

um sorriso :)
mariam